O profeta Jonas e a sombra da aboboreira

Publicado originalmente em “Pregando a Verdade”.

 

downloadHá momentos na vida que aparecem várias propostas e ofertas tão tentadoras, tão deslumbrantes que as pessoas acabam sendo seduzidas e fazem de tudo tirar proveito. Isso gera nelas sentimentos ruins, ganância ou mesmo insatisfação. Por muitas vezes, acabam se descontrolando e por não medirem a consequência de seus atos, acabam insatisfeitas com o que veem. A exemplo de uma aboboreira, uma lição de Deus ao profeta (Jonas 4: 6-11), será constatado o quanto é fácil o homem se apegar ao que é passageiro, porém cômodo, e ainda desenvolver sentimentos egoístas.

O profeta Jonas foi enviado a Nínive (capital da Assíria, hoje Iraque) para pregar a mensagem de Deus àquela cidade (Jonas 1:1-2). Ele fugiu para a direção contrária, a Península Ibérica (1:3). No meio da tempestade, ele foi jogado ao mar pelos tripulantes do barco (1: 4-19) e engolido (1:17) e vomitado por um grande peixe (2:10). Não tendo sucesso na sua fuga, restou-lhe apenas uma alternativa: anunciar a mensagem que Deus havia lhe dado contra os ninivitas (3:2-3). Ele anunciou que em quarenta dias a cidade seria destruída (3: 4).

Ao pregar esta mensagem, o povo creu, se arrependeu e se todos humilharam com jejum. Tornou-se até mesmo um decreto do rei daquela cidade — que todos jejuassem (inclusive os animais domésticos), abandonassem suas maldades, seus maus caminhos para que alcançassem a graça e a misericórdia de Deus. E assim fizeram. Como resultado, alcançaram a misericórdia de Deus e não seriam mais destruídos (3: 5-10).

Não satisfeito com isto, Jonas se aborreceu, ficou com raiva. Ele desejava ver aquele povo sendo dizimado pela ira divina, pois eram famosos por serem sanguinários e cruéis, por torturarem, maltratarem e subjugarem as pessoas dos lugares em que conquistaram, fazendo-lhes escravos. Ele não se contentou com o que viu. Ao dormir, Deus fez com que nascesse uma aboboreira para fazer sombra ao profeta; porém, na noite seguinte, a planta morreu. Jonas se indignou de tal modo que desejou morrer. Para ele, seu infortúnio já tinha chegou a limite suportável.

Diante deste episódio, há lições a serem tiradas com a aboboreira:

1 — O apego à sombra da aboboreira:

É interessante notar que esta planta não é perene, quer dizer, dure muito tempo. Então por que Jonas se apegou a ela? Provavelmente, por ter lhe dado um conforto a protegê-lo do sol. Isso é apenas uma ideia. Através deste vegetal, Deus quis mostrar ao profeta como ele estava sendo egoísta. Deus o questionou, confrontou o seu apego por uma planta que tinha nascido do dia para a noite e porque Ele, o SENHOR, não poderia ter compaixão de uma cidade de cento e vinte mil habitantes. Trazendo para o cenário atual, muitos se apegam às suas aboboreiras e a fazem como sombra, como uma proteção; se apegam às suas riquezas e ao conforto que geram; como disse o salmista, “uns confiam em carros e cavalos” (Salmos 20: 7a). Isto os torna individualista, egocêntricos, vis, valorizando mais o “ter” que o “ser”, como fosse eterno e que poderiam salvá-los na hora da morte. As riquezas, bens materiais são necessárias para a nossa sobrevivência, para o nosso sustento, porém, elas só nos servem apenas nesta vida e elas devem ser usadas com sabedoria; porém, se não mais vivermos, não servirá para mais nada a nosso favor, pois não poderemos carregá-las conosco, ficarão para outras pessoas. Em Mateus 6: 19 diz que “não devemos ajuntar tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem e onde os ladrões arrombam e roubam”. A mulher de Ló perdeu a sua vida, por não conseguir se desprender do deixara para trás. Com sua cidade sendo destruída, a única maneira de salvar sua vida era fugir sem olhar para trás – ela se virou e foi transformada numa estátua de sal (Gênesis 19:26; Lucas 17:32-33).

2 – O perigo da sombra da aboboreira:

A sombra é causada pela ausência de luz e ela ofusca o que deveria ser visto. Quando o que é passageiro se torna uma prioridade maior que as coisas de Deus, ou seja, quando a sua visão de Deus é ofuscada pela sombra do brilho deste mundo, você está correndo um perigo muito grande. Jesus alertou: “Ninguém pode servir a dois senhores; porque há de odiar um e amar o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom” (Mateus 6:24). “Mamom” é uma palavra aramaica que significa “riquezas” ou “fortuna”; por elas pessoas mentem, matam, fazem atrocidades que as impedem de servir ao SENHOR. Experimente um teste: olhar para dois lugares ao mesmo tempo, você consegue? Não. Seu cérebro simplesmente não consegue processar. Então, ou foquemos em Deus, priorizando-o e nos tesouros do céu ou na ansiedade e nos tesouros deste mundo, deixando o Senhor de lado. Aqueles que priorizam o seu tempo às coisas deste mundo, não havendo uma mudança de direção (ou um arrependimento genuíno), o fim não será nada agradável: virá a perdição e a ira da justiça divina. (Romanos 2:5-6).

3 – Saia da sombra da aboboreira!

O profeta Jonas se apegou à aboboreira por lhe dar conforto e proteção. Porém, ela morreu e ele quis morrer, por “quase desmaiar devido a calor do sol que queimava sua cabeça” (cap. 4: 8). Ou seja, ele entrou em desespero pois onde ele tinha se firmado simplesmente ruiu.

Como já foi dito, nós precisamos de comida, trabalho, uma certa comodidade, conforto, trabalho, roupas, dinheiro, diversão; No entanto, precisamos muito mais de Deus, pensar e ansiar a nossa salvação. As primeiras, fazem parte de nossa vida em sociedade, nossa sobrevivência. Morremos e nada mais faz sentido. Porém, as últimas são para tanto a nossa vida hoje, quanto para a eternidade. Deus pode prover tanto as primeiras quanto as últimas. De acordo com a Sua Palavra (João 11:25), quem crê em Jesus, ainda que morra, viverá. Se preocuparmos com nossa salvação, teremos vida eterna. Se não, não a teremos.

É importante frisar que este texto não incentiva a abandonar tudo e viver no meio de um deserto, uma ilha ou numa floresta e viver como um “hippie” ou como os povos silvícolas, como se fosse um pecado mortal possuir bens, não é isto. O texto apenas alerta o perigo do apego aos bens terrenos, ao amor por coisas, como se elas fizessem viver ou somente elas lhes satisfazem. Devemos ter a consciência de tudo isto deve ser adquirido e utilizado com sabedoria e sobriedade, tendo gratidão, pois o SENHOR quem o capacitou que isto fosse realizado ou conquistado, com saúde e forças para possuir o quem você tem. Todos dependem de Deus e nada é feito ou realizado sozinho, então não há motivo para este sentimento egoísta ou de posse.

Conclusão:

Para enxergar a Luz, primeiramente precisamos sair da sombra. Há uma realidade bem maior e infinitamente melhor do que este mundo pode oferecer. Busquemos a luz que brilha a salvação. Jesus disse: “Buscai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça e todas as coisas vos serão acrescentadas” (Mateus 6:33). Se nossa mente e coração estiverem presas a esta terra, estaremos em trevas, pois não teremos acesso à luz. Porém, se nossas mente e coração focarem em algo bem maior, além, nos tesouros do céu, a luz resplandecerá eternamente, brilhando cada dia mais, porque onde estiver o nosso tesouro, aí estará o nosso coração (cf. Mateus 6: 21).

Saiamos da sombra da aboboreira, onde a luz é ofuscada e troquemos pela sombra do Onipotente, um lugar feito para o nosso descanso! (Salmo 91: 1).

Anúncios