O que ouvi em 2016

A ideia deste post surgiu no ano passado, durante a série #366 no Medium. Achei tão legal que resolvi “repetir a dose” – mas com uma novidade: além das músicas que foram gravadas/lançadas em 2016, haverá um bônus sobre alguns outros álbuns relacionados a fatos ocorridos no ano passado e que quero compartilhar com vocês. A maioria dos álbuns são autorais e independentes. Só estou mencionando álbuns independentes (há apenas dois que não são), porque ouvi através de indicações e escuto muito pouco rádio para saber o que no #mainstream ou nas “paradas do momento”.

Assim como no ano passado, ressalto que não são análises técnicas e sim, apenas simples indicações, contando como estes álbuns chegaram até mim.

Eis a lista:

1) Ju Bragança Graças ao Trino Deus. Conheci através do Rodrigo Motta (pastor de jovens do Movimento FLOW ). Este CD foi gravado através de um financiamento coletivo. Recebi um cd da Ju Bragança logo após o lançamento. Cheguei a mencioná-la no post do ano passado, quando citei Prossigo de seu marido Jorge Caetano. As músicas são folk e bem gostosas de ouvir.

2) Big Graça – Big Graça. Conheci a banda através do site “Voltemos ao Evangelho”. É formada por um trio que se apresenta nas ruas de São Paulo, proclamando o Evangelho através do rock, blues e jazz. Achei muito legal as músicas! Recebi junto com o CD, um fanzine contando a história da banda de uma forma bem-humorada.

3) Estêvão QueirogaDiálogo Número Um. Suas músicas foram algo diferente do que já tinha ouvido e me surpreenderam. Eu o sigo no Twitter, mas vi a divulgação na página do Leonardo Gonçalves, que produziu o álbum no selo LG7, da Sony Music.

4) DomonteEP Domonte. Conheci este duo no site Catavento e depois foi indicado pelo Eduardo Mano. Suas músicas são estilo folk. Primeiro tinha ouvido no Youtube e depois disponibilizaram para download. Eu já conhecia o trabalho do Rodrigo Sousa antes.

Uma correção: na verdade, eu percebi que o Domonte lançou o seu EP em 2015. Mas como o post já estava pronto, resolvi deixar na lista.

5) ArianneOutono. Este álbum foi pra mim o mais esperado do ano. Foi o primeiro CD independente dela. Eu estava curioso para saber como seria esta novidade. Depois de muitos anos sem gravar e da saída da MK, o álbum representaria os novos ares da cantora. Ora folk, indie e pop-rock, com participações de Marcos Almeida e Daniela Araújo, o cd ficou bem legal, show.

6) MC’OnárioHey Jovem – Foi por amor! Conheci em uma apresentação na Convenção “Corra para o Reino” em 2015, junto com o J. Freaks. Em 2016, eles puderam lançar através de financiamento coletivo. É composto por músicas de rap.

7) Zoe Trio – Tristeza é coisa que dá e passa. Conheci através do Diego Marins, que faz parte da banda. É um EP instrumental. Diego Marins foi mencionado no post do ano passado, por fazer parte da Banda Interlúdio.

VAMOS AOS BÔNUS:

DVD “Um minuto de silêncio” – Tiago Viana. Recebi como brinde da Editora Ultimato no meio do ano. Pude conferir e gostei bastante – um álbum simples, acústico, porém, surpreendente e excelente. Foi lançado em 2013.

Gabriel Iglesias – “Pedra em carne. Foi lançado em 2016, porém, não cheguei a adquirir – só os vídeos no Youtube. É um dos álbuns que quero adquirir em 2017.

CantoVerbo – “CantoVerbo. Conheci através do podcast “No Barquinho“. Ouvi alguns trechos. Quero ainda ouvir de forma completa.O estilo deles é “indie-rock e folk norte-americano”.

Banda De Um – “Arbitrium“. Eu tinha escutado apenas “Cantarolar. Só agora em 2017 que pude conhecer todo o álbum. o EP é formado de música folk.

FolkdaWorld – não chega a ser um álbum (risos). É um site brasileiro especializado em música folk. Conta com indicações, curiosidade e novidades do universo folk. Várias bandas cristãs foram mencionadas lá como Os Arrais, Domonte, Rend Collective, Banda De Um, entre outras.

Podcasts cristãos – 2016 foi o ano em que mais ouvi podcasts e me tornei assíduo a eles. Comecei com o “No barquinho” e fui seguindo até ouvir “Irmãos.com”, “Os Cabracast”, “Diário de Bordo”, “Bibotalk”, “Jocum Vila (Farofa Nossa) ” e o “Juntos em 1”.

Estes foram os lançamentos de 2016 que ouvi. É claro que não me limitei a somente eles, continuei escutando o de sempre, entre outras músicas. Que agora em 2017 eu possa conhecer mais músicas legais e possa também compartilhar com vocês.

Anúncios